“A autoavaliação surge como mecanismo para estimular as escolas no sentido de melhorarem a sua qualidade a partir dos seus próprios recursos, ajudando-as a monitorizar os seus progressos e a dar informação correcta à comunidade (…)”

MacBeath, et al (2005, p.170)

A equipa de autoavaliação do Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira  tem em vista contribuir para a melhoria da qualidade do serviço público de educação prestado respondendo às exigências legais em vigor nesta matéria, concretamente no que toca à introdução de mecanismos de autorregulação no que diz respeito aos resultados escolares e à prestação do serviço educativo. A sua ação assenta numa reflexão sobre as práticas desenvolvidas e numa interpretação integrada e contextualizada dos resultados obtidos que faculte informação de suporte aos diferentes órgãos e estruturas.

“O processo de autoavaliação deve conformar-se a padrões de qualidade devidamente certificados.”

Artigo 7º – Lei n.º 31/2002

No âmbito do seu processo de autoavaliação, o Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira aderiu ao Programa AVES.  O Programa AVES é uma iniciativa da Fundação Manuel Leão que obteve, desde a primeira hora, o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian. O modelo que lhe subjaz é idêntico ao desenvolvido em Espanha pelo Instituto de Evaluación y Asesoramiento Educativo (IDEA), de natureza privada, criado pela Fundación Santa Maria, com quem foi estabelecido um protocolo de cooperação. A Missão do Programa é contribuir para a melhoria da qualidade da educação com base em dados e análises rigorosas e destina-se a:

  • Facilitar processos de auto-avaliação da escola, a partir de uma reflexão sobre os resultados dos alunos em provas externas.
  • Apoiar os actores educativos (nomeadamente, as lideranças das escolas) que pretendam encetar processos de melhoria da escola a partir de dados rigorosos.

Os dados recolhidos através deste programa de avaliação externa de escolas são tratados e divulgados pela Equipa de Autoavaliação junto dos vários elementos da comunidade educativa, tendo em vista o autoconhecimento organizacional e a reflexão partilhada sobre a prestação do serviço educativo no AEACO. O fim último destas ações é contribuir para a consolidação de uma cultura de melhoria sustentada e apoiar a tomada de decisões nos diferentes âmbitos da ação educativa.

  • Constituição da Equipa

Laurinda Barros Coordenadora
Dina Zão Representante do Pré-escolar
Lurdes Marques Representante do 1º ciclo
Maria João Pereira Representante do 2º ciclo
Anabela Solinho Representante do 3º ciclo

Ana Alves

Representante dos pais e encarregados de educação dos alunos do ensino pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, indicado pelo Diretor, ouvidos os presidentes das respetivas Associações de Pais.
Elisabete Vale Representante dos pais e encarregados de educação dos alunos do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, indicado pelo Diretor, ouvidos os presidentes das respetivas Associações de Pais.

Inês Boaventura

Mafalda Valentim Faria

Dois representantes dos alunos, do 3º ciclo do ensino básico de entre os delegados/subdelegados de turma e assembleia de estudantes.
Madalena Torres Representante do pessoal não docente [assistentes técnicos], indicado pelo Diretor, ouvido o Chefe do Pessoal Não Docente.
Sameiro Coutada Representante do pessoal não docente [assistentes operacionais], indicado pelo Diretor, ouvido o Chefe do Pessoal Não Docente.
  Representante da autarquia local, ou entidade parceira de reconhecido mérito e interesse para o Agrupamento, convidado pelo Diretor.

Total: 11 elementos

  • Objetivos

  • Desencadear os mecanismos adequados para dar cumprimento ao previsto na Lei 31/2002 de 20 de dezembro, nomeadamente no artigo 6.º, Capítulo II (i.e., medir o desempenho interno do Agrupamento ao nível da concretização do Projeto Educativo, do ambiente e clima educativos, do sucesso escolar, do desempenho dos órgãos de gestão e das restantes estruturas e ainda da colaboração e empenho dos diferentes membros da comunidade educativa).
  • Contribuir para o desenvolvimento de uma cultura de autoavaliação permanente no Agrupamento.
  • Contribuir para a melhoria dos resultados educativos e escolares dos alunos do Agrupamento.
  • Intensificar e aprofundar processos de participação dos vários elementos da comunidade na vida do Agrupamento.
  • Facultar à Comunidade Educativa elementos pertinentes e fiáveis para reflexão de modo a promover a melhoria dos resultados e da qualidade do serviço prestado e reforçar a identidade do Agrupamento.
  • Reforçar um conhecimento sistematizado do contexto escolar/educativo.
  • Identificar pontos fortes e fracos no âmbito das práticas educativas, dos resultados escolares, do funcionamento e gestão de recursos e da relação com a Comunidade Educativa e Meio Envolvente.